terça-feira, 1 de janeiro de 2008

O AMOR E A REPRESA

















O amor e a represa são iguais:
Se deixar uma brechinha por onde possa passar um fio d'água,
Aos poucos, com a força da correnteza,
As paredes vão rachando.
Se as paredes rachadas desmoronam,
A água, assim como o amor,
Toma conta de tudo,
E já não interessa se é possível ou impossível,
Se podemos ou não manter a pessoa amada ao nosso lado.
Amar é perder o controle...

4 comentários:

Suave Toque disse...

Assim como a água perde seu controle sobre um curso,o amor também o perde. Quando nos apaixonamos seguimos cursos jamais imaginados,perdemos o controle, por vezes a razão.
Um grande bj...

Um Momento disse...

E a represa se abre num todo como o coração
Um brinde ao amor

Feliz 2008!

(*)

Eärwen Tulcakelumë disse...

E como perdemos o controle quando estamos envolvidos por este sentimento maravilhoso.
Gostei do teu espaço e agradeço tuas carinhosas palavras em meu mundo.

Deixo-te a primeira pérola incandescente de luz, neste novo ano, para que sempre te acompanhe.

Com carinho

Eärwen

ilmar disse...

Parabéns pelo blog.Blelpíssimas imagens sensuais.Foi um prazer percorrer os caminhos coloridos de seus textos Se tiver um tempinho, gostaria de recebê-lo no meu blog:
http://www.abestados1000anos.com.br/ Abraço Ilmar